Seja bem vindo ao Mato e Cia. Aqui você encontrará materiais destinados ao curso de graduação em Engenharia Florestal e áreas afins. As fotos podem ser utilizadas, mas não se esqueça de mencionar o blog como fonte.







quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Pau Brasil ( Caesalpinia echinata Lam.)


Fotos do Pau Brasil, tiradas na  UFRRJ, atrás do prédio principal ( O famoso P1).

Esta belíssima árvore pertence a família Fabaceae (Leguminosae), estando incluída na sub família Caesalpinioideae. Seu nome científico é Caesalpinia echinata L. 



segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Famílias Botânicas 04 : Solanaceae


            Esta família de Angiospermas, pertencente ao grupo das eudicotilidêneas, tem uma grande importância econômica. Pela imagem acima é possivel ter uma noção. Tomate , Batata, Berinjela, Jiló (todas pertencentes ao gênero Solanum) e Pimentão (Capsicum spp.) são alguns representantes de solanaceae cultivados em várias partes do mundo e associadas intímamente à alimantação humana. O tabaco (nicotiana tabacum), matéria prima para produçaõ de cigarros, também pertence à família e movimenta a economia mundial. De acordo com LORENZI (2008), existem cerca de 150 gêneros e 300 espécies no mundo e no Brasil ocorrem 32 gêneros e 350 espécies.
          
           A origem do nome é curiosa. O gênero Solanum L. que dá nome à familia, foi descrito pela primeira vez por  Lineu em 1753. O verbo solari em latim significa consolar ou aliviar e Lineu concedeu essa denominação  ao observar propriedades calmantes de algumas espécies do gênero. Por exemplo, A erva-moura (Solanum americanum Mill.), um arbusto de aproximadamente 1,2m,  é usada externamente em forma de infusão como  sedativa,  calmante, no combate a  excitação nervosa e terror noturno entre outros(FLORA SBS).Mas atenção(!):os frutos verdes são tóxicos e é sempre bom lembrar que o médico nunca deve ser dispensado. Os dados estão aqui com caráter informativo. 
Solanum americanum Mill. ERVA-MOURA

Caracterização da Família:

Quanto ao hábito, já temos uma prévia noção dado os exemplos acima. São majoritariamente ervas, arbustos ou arvoretas. As folhas são de organização simples, podendo ser pinatissectas (como no tomate) e filotaxia alterna. A inflorescência é do tipo cimosa ( apresenta crescimento determinado, cresce de dentro para fora) mas, comumente há apenas uma flor. As flores são geralmente vistosas bissexuadas, actinomorfas. Cálice pentâmero com sépalas unidas ( gamosseplo) corola geralmente pentâmera gamopétala. Estames 5 ou menso freqüente 4 didínamos, epipétalos com anteras rimosas ou poricidas. Ovário é súpero bicarpelar, bilocular, geralmente pluriovulados.


                                    Solanum paniculatum Jurubeba.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Famílias Botânicas 05- Melastomataceae


Melastomataceae Juss.

Família encontrada com freqüência em levantamentos florísticos de varias formações vegetais do Brasil, Melastomataceae possui distribuição predominantemente pantropical, com centros de diversidade na América do Sul, Malásia e Indochina. Ao todo, engloba cerca de 150 gêneros e 4.500 espécies. Nesta família está incluído o gênero da quaresmeira e manacá da serra (Tibouchina) de grande exuberância, muito comuns em serras e frequentemente utilizadas em ornamentação.

O nome da família provém do grego Melas - preto, e Stoma - boca; pois a boca fica preta ao se comer frutos de algumas espécies, particularmente os frutos das Pixiricas.
Esta é uma família de fácil identificação, visto que possui características muito peculiares. O hábito é variado, sendo mais freqüentes arvores e subarbustos, mas ocorrendo também ervas e lianas. O Caule por vezes tem formato quadrangular. Em muitos casos é possível chegar á família apenas pela morfologia das folhas: elas são opostas decussadas (cruzadas) sem presença de estípulas. As nervuras são cuvinérveas (acródromas) com 3-9 nervuras principais e as nervuras secundarias dispostas perpendicularmente. O gênero Mouriri difere dos demais pela ocorrência de folhas broquidródromas (peninérveas). Algumas espécies (Tococa spp.) apresentam domácias dilatadas na base das folhas e são habitadas por formigas agressivas que protegem a planta contra herbívoros. O indumento é variado e constantemente presente, glândulas podem estar presentes ou não.

 As inflorescências determinadas podem ser terminais ou axilares. Hipanto presente. Flores tetrâmeras ou pentâmeras, Androceu diplostêmone (exceto Rhynchanthera, isostêmone), anteras basifixas em forrma de foices (falciformes), conectivos prolongados, com anteras poricidas (à exceção de algumas espécies de Miconia). Ovário geralmente 3-5(6)-carpelar, sincárpico, lóculos tanto quanto os carpelos; placentação axilar, com numerosos óvulos por lóculo. Disco nectarífero geralmente ausente. Fruto cápsula loculicida ou baga; sementes pequenas mas em grande número.



 No Brasil, é particularmente diversa em florestas úmidas (Miconia, Tibouchina) ou em campos rupestres e campos de altitude (Microlicia, Marcetia, Lavoisiera), contando com cerca de 60 gêneros. Os maiores são Miconia (ca. 1.000 spp.), Medinilla (300), Tibouchina (250), Leandra (200), Clidemia (175) e Microlicia (100). Somente na mata atlântica foram levantada 571espécies de melastomataceae, estando entre uma das famílias mais expressivas deste bioma.
Algumas espécies, principalmente de Miconia e Tibouchina (quaresmeira), são plantas pioneiras e, por isso, utilizadas na recuperação de ambientes florestais degradados, outras são cultivadas como ornamentais pelas flores ou, ocasionalmente, pelas folhas vistosas.

Referências Bibliográficas


Goldenberg, R; Reginato, M. Sinopse da família Melastomataceae na Estação Biológica de Santa Lúcia, Santa Teresa, Espírito Santo. BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 20:33-58 DEZEMBRO DE 2006.

NEOTROPIKEY: NEOTROPICAL FAMILIES INDEX FROM KEW.Disponível em: http://www.kew.org/science/tropamerica/neotropikey/families/index.htm..Acessado em 11 de outubro de 2011.

SOUZA, Vinicius C.; LORENZI, Harri. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2ª Edição. Nova Odessa, São Paulo: Instituto Plantarum, 2008.