Seja bem vindo ao Mato e Cia. Aqui você encontrará materiais destinados ao curso de graduação em Engenharia Florestal e áreas afins. As fotos podem ser utilizadas, mas não se esqueça de mencionar o blog como fonte.







sábado, 17 de setembro de 2011

Diferenças entre Monocotiledôneas e Eudicotiledôneas

No crescimento inicial das plântulas, os cotilédones são fundamentais na absorção dos recursos maternos antes da germinação e na transferência de substâncias ou ainda, após a germinação, quando emergem do tegumento da semente, realizando a função de fotossíntese (Marshall & Kozlowski, 1976; Kitajima, 1992).
Quando falamos em cotilédone (s), nos referimos a uma estrutura embrionária presente nas sementes de Angiospermas. O cotilédone é uma folha modificada que  fornece nutrientes ao embrião na sua fase inicial de desenvolvimento e está inserido no primórdio caulinar, estrutura que originará o caule.  A presença de um ou dois cotilédones permite a diferenciação entre dois grupos principais de angiospermas: as Monocotiledôneas e as Eudicotiledôneas ( anteriormente conhecidas como Dicotiledôneas).


  Figura 01- A-Germinação de Monocotiledônea. B- Germinação Eudicitiledonea (Fonte: Wikipédia)


Nas Monocotiledoneas o único coltilédone presente não emerge do solo (figura 1-a), já nas Eudicotiledôneas os cotilédones emergem juntamente com a plântula (figura 1-b) podendo ser confundidos com folhas. Porém, eles são estruturas passageiras e a partir do desenvolvimento das primeiras folhas (consequentemente  obtenção de nutrientes pelo processo de fotossíntese) eles caem.


Figura 02 – Processo de germinação em Monocotiledôneas. (Fonte: Sobiologia)


Figura 03- Processo de Germinação em Eudicotiledôneas (Fonte: Sobiologia)

Além da diferenciação pelo número de cotilédones presentes, os dois grupos também podem ser diferenciados por outras características morfológicas:

Monocotiledôneas possuem sistema de raízes fasciculadas,ou seja, não há diferenciação entre uma raíz principal e laterais. Em contrapartida, nas Eudicotiledôneas, o sistema radicular é pivotante (ou axial), onde é possível distinguir uma raiz principal de outras laterais.

Um diferença marcante também pode ser observada no que tange a nervura foliar. As Monocotiledôneas de modo geral, apresentam nervuras paralelas (paralelinérvea ) e as Euducotiledôneas tem um tipo de organização das nervuras que geralmente lembra uma pena ( peninérvea).

Ao contrário do que ocorre no grupo das Eudicotiledôneas, a bainha é geralmente bem desenvolvida em Monocotiledôneas.

Referindo-se às flores, geralmente encontra-se Monocotiledôneas com verticilos protetores( cálice e corola) com 3 (ou múltiplos) peças cada um. Eudicotiledôneas podem ser tetrâmeras ou pentâmeras ( ou múltiplos de 4 e 5 ).

REFERENCIAS

MARSHALL, P.E.; KOZLOWISKI, T.T.  1976.  Importance of photosynthetic cotyledons for early growth of woody angiosperms.  Physiologia Plantarum, v. 37,  p. 336–340.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Gimnospermas.

            As gimnospermas são plantas vasculares com sementes. Formam juntamente com as angiospermas o grupo das espermatófitas. Na linha evolutiva as sementes aparecem como uma vantagem seletiva. As sementes (o óvulo fecundado) nutrem e protegem o embrião além de auxiliar na dispersão da espécie. As estruturas reprodutivas das gimnospermas, de um modo geral, estão organizadas em cones ou estróbilos. Os estróbilos femininos são geralmente maiores e mais vistosos, são os megastróbilos, formados por megasporófilo, os quais contêm os megasporangios produrores dos megasporos. Em menor tamanho e maior quantidade estão os microstróbilos, os cones masculinos, compostos por microsporófilos, estes contem os microsporos do microsporângio. Nas gimnospermas as sementes não são protegidas por fruto, conforme o próprio nome diz ( do grego, gimno= nua, e esperma= sementes) são expostas. Algumas porém, apresentam um arilo carnoso, como no caso das Taxáceae e Gnetáceae, mas não são considerados frutos, visto que não tem origem a partir da parede do ovário como em angiospermas.
 A água não se torna mais necessária para o gameta atingir a oosfera, pois a partir o microsporo  forma-se o tubo polínico.
                         
                      - Cycadales- Cycadaceae – Folíolos com nervura central evidente, megasporófilos não dispostos em megastróbilos. Ex: sagu de jardim (cycas circinalis, cycas revolutas) Ocorrência: Sudeste asiático, Oceania e Madagascar.

                                           - Zamiaceae – Folíolos sem nervura central evidente, megasporófilos dispostos em megastróbilos. Ocorrência: Oceania, áfrica e região neotropical.
                       
                        - Ginkoales- Ginkgoaceae – Folhas flabeliformes. Ex:Ginkgo (Ginkgo biloba) Ocorrência: China

                
               
                        - Gnetales  - Ephredaceae – Ervas, com folhas opostas ou verticiladas escamiformes.Ex Ephredea tweediana  no  Rio Grande do Sul Ocorrência:  Regiões temperadas.
                                          - Welwitchia- Desertos costeiros do sudoeste da áfrica, na angola, na Namíbia e África do Sul.
                                          - Gnetaceae – Folhas opostas, sementes envolvidas por invólucro ou arilo carnoso e vistoso. Ocorrência: Regiões Pantropicais Ex  Gnetum leyboldii na Amazônia.
                           
                        - Pinales     - Araucariaceae – Folhas simples sésseis ou curtamente pecioladas, alternas espiraladas.  Ocorrência América do Sul , Sul do Brasil  áreas elevadas do Sudeste. Ex Araucária angustifolia pinheiro do paraná

                                          - Pinaceae – Árvores monóicas, folhas simples, lineares, aciculares, agrupadas em feixes denominados braquiblastos, microsporófilos com 2 microsporângios. Ocorrência: hemisfério norte  Ex. Cedrus libanii
                                          - Pocodarpaceae – Megastróbilos geralmente ausentes ou pouco definido. Ocorrência: Ásia e Austrália. Ex Podocarpus lambertii  Na Amazônia.
                                          - Cupressaceae – Folhas simples, geralmente escamiformes ( ex. ciprestes, cupressus senpervirens, Sequóia gigante) Oorrência : Distribuição ampla em todo o mundo, menos comum na América do Sul (onde só ocorre nos Andes)  e na África.

                                          - Taxaceae – Semente envolvida por arilo carnoso. Ocorrência: Amplamente distribuídas no Hemisfério Norte, mas concentradas no Sudeste Asiático. Ex Pinheiro eurepeu, Taxus baccata.